Francisco Pamplona e Pedro Pamplona

Falamos de muito jeitos, inglês,
português, japonês
Palavra falada Palavra escrita
Por vezes maltratada, as vezes nem ouvida
Palavra falada Palavra escrita
Por vezes maltratada, as vezes nem ouvida

Hieróglifos, pinturas rupestres,
dialetos esquecidos, culturas ancestrais, memória terrestre
Papiros em garrafas lançadas em alto mar
Sinais de fumaça no ar

Os tambores

Não ouvimos os Tambores que falam de união
Quanta Fake News, Entropia e confusão
Se tu gastas o teu latim, Ninguém deu ouvido para mi m
Você só vem falando grego, E eu não entendi o seu enredo

Viajando nas ondas do rádio
Mensagens espaciais
Os Satélites tornam possíveis
Contatos internacionais
Encurtamos distâncias na rede
Hoje o mundo cabe no teclado
Se buscamos a paz tão sonhada
É pra ouvir bem atento o recado

Por outro lado

Um toque transmite mais
Mais que mil palavras
Quanta coisa é dita num sorriso, num olhar
Arte, expressão que não tem par
O nosso canto é mensagem de harmonia
O batuque conta histórias de outros dias
Nossos versos evocam antiga sabedoria:
Pra começar tem que escutar!

Conversa vai, conversa vem
Sem mimimí, sem nhenhenhémm
Na tribo da Sá Pereira, A palavra é sua também
Conversa vai, conversa vem
Sem mimimí, sem nhenhenhémm
No Bloco da Sá Pereira A palavra é sua também Falamos de Muitos Jeitos