F8 e F9 – 2017

Cenas de Gauguin

“Para pintar de verdade há que sacudir o civilizado que carregamos e sacar o selvagem que levamos dentro.” (Paul Gauguin)

No início de 2017, fizemos uma série de atividades de sensibilização para o projeto Zoom: Diferentes Formas de Ver e Experimentar o Mundo, e que partiram do quadro De Onde Viemos? Quem Somos? Para Onde Vamos? (1897), de Paul Gauguin. Através dele fizemos um exercício de zoom, priorizando num primeiro momento a apreciação de detalhes da obra. Percebemos que, se por um lado o recorte limitava nossa leitura por não estarmos considerando o todo, por outro essa limitação ampliava muito as possibilidades de interpretação e fantasia.

Esse exercício nos fez pensar na importância do contexto e da percepção de detalhes para a construção da leitura, seja em textos verbais ou não-verbais. Permitiu-nos, também, pensar nas representações simbólicas presentes no quadro, ele mesmo uma imagem do paraíso.

Após a interpretação dos detalhes e da obra integral no coletivo, os alunos puderam trabalhar em grupos menores com um fragmento específico do quadro. Os grupos criaram falas para os personagens presentes em cada imagem, dando origem a um texto dramático, que foi apresentado em esquetes. Leia algumas produções das turmas F8 e F9:

A Maçã da Vida

Personagens: Deusa Minatara (estátua); Adriade (mulher); Ícaro (cabra) e Serafim (gato)

A cena começa com Adriade sentada no chão do lado de Serafim e aos pés da estátua. Chega a cabra.

Ícaro: Adriade, aqui na minha mão eu tenho as soluções para todos os seus problemas. Todos os seus sentimentos ruins vão desaparecer ao longo de sua imortalidade.

Adriade: Mas o que eu devo fazer ?

Ícaro: Coma a maçã e verá.

Adriade come a maçã e começa a ter alucinações. O gato fala.

Serafim: Adriade!

Adriade: Serafim? Você está falando?!

Serafim: Mais ou menos, eu sou uma voz dentro da sua mente. Não creio que você tenha comido a maçã… Só posso lhe dizer boa sorte na sua jornada de caos e sofrimento. Espero que você ache o caminho de volta!

Adriade: Serafim, do que você está falando?! Responda!!!

Adriade fica perdida e não sabe o que fazer. De repente a estátua cria vida.

Adriade: Você também, minha querida deusa Minatara?

Minatara: Adriade, minha querida, é uma pena você ter tomado este destino… Mas eu devo cumprir meu dever.

Adriade: Como assim, minha deusa ? Eu nunca deixei de fazer uma oferenda, nunca deixei de ir a algum ritual… O que eu fiz de errado ?!

Minatara: Você caiu na lábia de Ícaro, ele virou cabra por conta de uma maldição, que só se desfaria se alguém comesse a maçã. Foi muito bom acompanhar a sua jornada na Terra, Adriade. Espero que você encontre o fim do labirinto.

Adriade: Minatara, espere!!! Minatara? Onde eu estou?

Adriade começa a correr procurando uma saída. Desesperada, depois de tanta procura, senta e chora.

Tomás, Alice, Luciano, Tiago – F8M

Esquete F9M

Mefistófeles

(Menino entra em cena com Pai e Mãe conversando. Menino quebra objeto acidentalmente)
Mãe: Ai, meu Deus, Filho!! Parece que não conseguimos ter um dia normal sem você quebrar alguma coisa!!
Pai: Vai já para o seu quarto e vê se consegue não quebrar a casa inteira no caminho, seu peste!!
( Pai e Mãe saem de cena. Menino finge fechar a porta com raiva.)
Menino: Que raiva!! Eu odeio eles!! Se houvesse ao menos uma maneira de me vingar.
( Diabo entra em cena)
Diabo: E existe.
Menino: Quem é você? Saia já do meu quarto!!
Diabo: Acalme-se…Bem… Digamos que eu sou só alguém que deseja te ajudar…  Soube que sua vida em casa está insatisfatória, mas, se você assinar este contrato (Diabo mostra um contrato com um sorriso maligno) todo seu sofrimento acabará.
(Menino assina sem pensar duas vezes)
Diabo: Bom… Então, siga-me… (Diabo estala os dedos e de repente os dois aparecem em um jardim maravilhoso) Este é o famoso Jardim do Éden e essa (aponta para a árvore) é a árvore do fruto que comerás para ter sua vingança (Diabo pega a fruta e entrega ao menino que come rapidamente. Menino se sente tonto e desmaia. Quando acorda, se encontra com Deus)
Deus: Olá, menino, eu sou Deus.
Menino: Como eu te encontrei? Eu morri?
Deus: Não, fez uma coisa muito pior, comeu do fruto proibido, de minha propriedade. Tu acabou de roubar Deus, moleque, tá achando que é quem? (diz Deus de um jeito meio funkeiro) Enfim… Não foi só isso não, você também assinou contrato com o Capiroto, então sua alma pertence a ele, agora. Seu castigo será perder todos que ama e nunca ter a chance de voltar aos céus. Agora adeus (Deus dá um peteleco na testa do menino, que cai desmaiado no chão. Deus sai de cena. Menino acorda em seu quarto e vai correndo para a sala, se depara com seu pai e sua mãe na forma de animais. Menino grita:)
Menino: O que foi que eu fiz?????

Felipe, Gabriel, Flora B, Mateus e Henrique – F9M

Será?

Eu pensei comigo mesmo. Será que vale a pena correr esse risco? Os outros me achavam louco por tentar, já eu os achava malucos por não tentarem.
– Como você pode? Sabendo o destino que o aguarda!
– Você perdeu a cabeça?!
– Não vale a pena!
Essas eram as palavras que minhas amigas me diziam enquanto eu contava o que estava prestes a fazer.
– Enfrentem seus medos! Vocês pretendem viver fazendo as mesmas coisas para sempre?
– O que tem de errado com nossas vidas?
– Vocês três estão confortáveis demais por pura ignorância, medo.
– Se vocês querem, meu bem, então aceitem o que eu quero, pois só assim serei verdadeiramente feliz!
– Por favor, não vá!
– Já me decidi, espero que um dia vocês entendam minha decisão.
Então eu fui.

Alice Flexor, Clarice de Sá, Luisa Gama, Miguel – F8T

Esquete F9T

Salvação

Personagem 1: Já estou cansada…
Personagem 2: Cansada do quê?
Personagem 1: De tudo… cansada dessa vida, dessa rotina.
Personagem 3: Concordo, também não aguento mais essa rotina monótona, todo dia sempre a mesma coisa.
Personagem 4: Já faz mil anos e ainda virão muitos mil…
Personagem 3: Nunca acabará esse paraíso sem fim!
Personagem 2: Discordo. Deveríamos aproveitar a vida que temos.
Personagem 4: Deveríamos tentar mudar nossa vida, buscar algo novo.
Personagem 1: Mas de que jeito?
Personagem 3: Bom, me lembro de ter ouvido uma lenda há muito tempo, mas não sei se é verdade…
Personagem 4: Lembro-me disso também, a lenda dizia algo a respeito de um fruto…
Personagem 1: Falem mais sobre isso!
Personagem 2: Essa lenda é mentira, não acreditem nisso!
Personagem 3: Me lembro que esse fruto não deveria ser comido, caso contrário perderíamos essa vida.
Personagem 4: É isso!
Personagem 1: Acho que deveríamos arriscar…
Personagem 3: Seria a nossa única salvação.
Personagem 2: Não façam isso!
Personagem 1: Já está decidido.
Personagem 4: Seria aquele o fruto?
Personagem 3: O próprio!
Personagem 2: Eu não faria isso se fosse vocês.
Personagem 4: Prefiro me arrepender de algo que fiz do que de algo que poderia ter feito.

A cena congela nas poses do quadro.

Gabriiel Teixeira, Marina Terry, Antônio e Bia – F9T