Junho de 2013

A Proposta

Rio de Janeiro … Essa cidade com tantos cantos, encantos e contrastes tem muita história para ser contada. E inventada!
Lapa, Santa Teresa, Praia de Copacabana, Arpoador, Pão de Açúcar, Jardim Botânico… Quantas lembranças, quantas impressões, quantos afetos!
Inspirados na crônica “Tamoios do Arpoador”, de Zuenir Ventura, os alunos da F5MB foram convidados a escrever a sua prosa poética sobre o seu lugar querido no Rio.
O olhar generoso e apaixonado de nossos alunos pela nossa cidade está aqui, para encantar vocês.

Santa Teresa

Marina 

Meu lugar favorito do Rio é Santa Teresa.
Com um ano eu fui morar em Santa Teresa. Lá do lado do meu prédio, morava a minha prima. Nós sempre passeávamos.
Eu e ela íamos ao Parque das Ruínas. Tinha um parquinho que dava pra ver praticamente toda a cidade. O pôr do sol era magnífico. De noite, a cidade parecia uma única estrela. Eu via tudo iluminado, era uma coisa maravilhosa.
Também, sempre gostei de andar no bonde de Santa Teresa, fiquei muito triste quando o tiraram.
Até hoje, eu adoro quando vou lá.

Praia de Ipanema

Antonio

A praia de Ipanema é um dos lugares mais bonitos ou o mais bonito do Rio de Janeiro. Tantas pessoas já fizeram homenagem a este lugar e hoje, cá estou eu também fazendo!
Começamos por Tom e Vinícius com uma linda garota de Ipanema caminhando. Depois eles se esbarram com Millôr olhando o pôr do sol. Millôr com sua bela frase: “O pôr do sol é de quem olha”.
A Praia de Ipanema é a melhor coisa do mundo. Principalmente, quando está 40 graus! Mas, aí tenha cuidado para não se perder, porque fica muito cheia!
As pessoas surfam, os banhistas nadam e só uma coisa pode atrapalhar, a chuva!
A exuberância de pessoas e de natureza… ó, Ipanema, com as águas cristalinas, os cocos frescos, as ondas perfeitas, o biscoito Globo crocante, o mate delicioso, o sol brilhante… você faz a gente pensar que está no paraíso.
Bom, isso é Ipanema.

O Jardim Botânico

Bento

O Jardim Botânico foi o incrível e majestoso lugar que escolhi. Ele é cultural, cheio de coisas da natureza. É um ótimo lugar para passear durante os sábados e domingos. Além disso, tem uma marca brasileira natural que é uma mistura de verde, com ar puro e o clima ameno.
Quando era pequeno ia lá muitas e muitas vezes com a minha avó, meus primos, meus pais e alguns outros amigos nossos bem legais. Nós passeávamos, estudávamos as plantas e as árvores, víamos algumas exposições, víamos aquela caverna com um aquário e, depois, todos nós explorávamos a natureza, para em seguida brincar até cair.
O Jardim Botânico é um lindo lugar. Vocês já fizeram um piquenique lá? Bom, se já fizeram, provavelmente, foi ótimo. Se não fizeram é bem legal, acreditem.
Quando respiro o ar doce de lá, eu fico inspirado, me sinto um menino livre. E é por isso que o Jardim Botânico é o meu lugar especial no Rio.

Copacabana

Hanah

Eu sempre morei em Copacabana. Eu sempre gostei de morar lá. E eu moro perto da linda, brilhante e famosa Praia de Copacabana.
No calçadão de Copacabana, foi onde eu aprendi a andar de bicicleta e caí muitas vezes (de bicicleta), mas enfim só caindo que se aprende.
Eu adoro ir lá no calçadão, fazer duas coisas: levar a minha cadela, Maya e andar de bicicleta recebendo aquele ventinho no rosto, que me alegra. Aquele lugar me traz boas lembranças, desde pequena.
Em Copacabana tem de tudo que é gente: branco, negro, moreno, mulato, rico, pobre, estrangeiro, enfim, tem de tudo que é gente. Parece que tem um imã de gente!
Quando a noite vai chegando, as ruas não estão mais tão cheias, mas eu continuo ali, apreciando o lindo mar…

Parque da Catacumba

Flora

O Parque da Catacumba é um lugar bem legal. É onde eu vou para brincar na tirolesa. Também vou para passear, relaxar e curtir a natureza.
A primeira vez que fui lá, eu tinha oito anos de idade, e fui com a minha mãe. A gente foi para tirolesa. Eu fui primeiro, porque ela estava com medo. Então, eu fui. Acabei ficando presa no meio. Minha mãe quase teve um piripaque, mas acabou tudo bem.
Adoro a tirolesa, parece que descendo por ela, eu voo igual a um pássaro, ou como um avião, um grande e imenso avião.
Sempre vou brincar também de frisbee vendo as árvores, montanhas e plantinhas.
O parque fica na Lagoa, um lugar lindo, que tem contato com a natureza igual ao parque.
Ali é o lugar perfeito para festas e piqueniques.
Sempre que entro lá, me lembro de todos os dias em que fiquei feliz, porque aquele lugar me traz uma conexão boa com tudo que existe de bom no mundo.
Lá é o meu lugar querido do Rio e sempre será.

Praia Vermelha

João Pedro

Minha querida Praia Vermelha, com sua linda areia quente, sua água fria e um sol de 40 graus, não há coisa melhor. É muito boa e agradável, ainda mais com sua bela vista do Pão de Açúcar.
Ela é bem pequena e não tem como as crianças se perderem. Elas podem correr à vontade.
As pessoas que a frequentam são super simpáticas. A segurança é estupenda com os guardas, a área militar e a organização de primeira. Até o estacionamento é muito legal.
Você pode comprar pranchinhas e surfar com seus amigos com muita segurança, porque as ondas são pequenas e também é muito raso. Dá para chegar longe, bem até alguns barcos, só andando. É espetacular.
Quando você for sair da praia, ainda pode fazer uma trilha até o Morro da Urca e pode descer de bondinho. Se descer do bondinho, pode comer um cachorro quente, em frente à Praia Vermelha. É muito bom, eu recomendo.
Minha sensação de estar lá é de relaxamento na água fria, de felicidade fazendo um forte de areia e de vontade de dormir na areia fofinha e quente.
Como eu adoro a Praia da Urca!

Praça XV

Dóris

Quando era pequena minha mãe me levou à praça XV, não sei porque fiquei maravilhada com o Mergulhão. Depois vi o Chafariz do Mestre Valentim, também achei o máximo. Tudo era novo para mim.
Minha mãe me levou ao Centro Cultural Banco do Brasil, “o museu do teto bonito”, como eu o chamei dentro da minha cabeça. Voltando para casa, eu fiquei com vontade de ir lá todo final de semana, e fui.
Quando fui pela segunda vez, descobri que tinha uma linda loja da Granado, me apaixonei.
Passei a ir lá várias vezes, adorava quando tinha uma exposição bem colorida e grande que ocupava o salão todo no CCBB.
Não sei por que, mas agora já perdeu um pouco a graça e não vou mais tantas vezes como ia antigamente.
Foi por isso que escolhi escrever sobre a Praça XV, para reviver uns dos melhores momentos da minha vida.

Praia de Ipanema

Sofia Coelho

Todos os verões eu vou à… Quer dizer, todos os finais de semana eu vou à praia.
Com certeza a Praia de Ipanema é um dos lugares mais bonitos do Rio. Temperatura fresca, até nos dias quentes. Isso é culpa de uma tal de Senhora Brisa, que deixa a praia com essa temperatura amena.
O pôr do sol é lindo, não há nada melhor do que assistir a um pôr do sol em Ipanema! Chega a parecer sonho. Olhar o Rio daquele ponto é com certeza a coisa mais bonita do mundo.
Quando chega a noite a praia já está vazia, e o mar bate forte. E o mar bate e volta, bate e volta, bate e volta…

Praia da Barra

Nina

Desde pequena eu vou à praia. Com três anos eu subi em uma prancha boiando no rasinho. Foi a minha primeira ligação com o mar.
De dia, a praia serve para refrescar, para passear. No verão é ótimo ficar na beira do mar sentindo a brisa, enquanto as pessoas na calçada se sentem derreter. Eu adoro brincar com os meus primos, meu irmão e com minha prima. Gosto de fazer castelos de areia e também gosto de ficar tomando água de coco ou tomando um sorvete e vendo o meu pai surfar. A coisa que o meu pai mais ama fazer é surfar.
De noite, a praia serve para tomar banho de lua, e serve até no inverno para um passeio. É só levar um casaco e uma amiga ou amigo para brincar e conversar.
O único problema é que tem gente que trata a praia como lixo. Mas vamos parar de falar de coisas ruins, vamos falar do Ano Novo. É ótimo ir à praia ver os fogos!
Eu já fui a praias de muitos lugares, mas eu sempre volto para a Praia da Barra.
A praia é a minha casa!

Lagoa Rodrigo de Freitas

Rafael

A Lagoa é um lugar muito bonito é agradável, onde ando de bicicleta, tomo água de coco e passo sempre de carro.
Na Lagoa acontecem coisas ruins e coisas boas, acidentes de carro, de bicicleta, mas também foi onde eu aprendi a andar de bicicleta.
Lá existem muitos parques: Parque dos Patins, Parque da Catacumba e o Parque dos Cachorros. Há muitos quiosques de água de coco para as pessoas tomarem quando estiverem cansadas e suadas de tanto andar de bicicleta. Há também muitos restaurantes interessantes para passar a tarde comendo e bebendo.
O bairro Lagoa tem esse nome porque ele fica em torno da Lagoa Rodrigo de Freitas.
É um bairro grande e por isso o trânsito de lá não é dos melhores.
Eu amo a Lagoa, sempre vai ser o meu lugar querido do Rio!

Pedra da Gávea

Sofia Berwanger

Quando pequena fui à Pedra da Gávea com a minha vó. Lá vimos várias pessoas meditando. Então, ela pediu que eu me sentasse e pensasse em meus escritores ou pintores favoritos. Eu não pensei em nada disso, pensei na minha família e nos meus amigos.
Ficamos um tempo e assistimos ao pôr do sol. Foi uma coisa inesquecível, o céu virou rosa, azul e laranja com um pequeno toque de vermelho. Tudo era lindo e maravilhoso!
Logo depois desse espetáculo, descemos e resolvemos fazer uma caminhada na praia, mas de repente:
– Olha o que vem chegando! A noite e suas estrelas.
– É melhor irmos embora logo – disse minha vó.

Paquetá

Thomaz

Meu lugar preferido no Rio é Paquetá. Paquetá tem pontos muito interessantes: o único cemitério de pássaros do Brasil, uma vista de morrer, um clima antigo e único, charretes que dão aquele cheiro do velho oeste… Não tem carros e o táxi é uma bicicleta com um banco atrás.
Com quatro anos passei a andar de bicicleta sem rodinha, com aquele vento gostoso no rosto. Com cinco anos passei a andar de quadriciclo com o meu pai.
Paquetá é um lugar calmo e tem uma bela praia para soltar pipa. É um lugar muito bonito e histórico.
Paquetá é simplesmente maravilhoso.

Jardim Botânico

Vicente

Vou escrever agora sobre o Jardim Botânico e a Lagoa, sei que são dois lugares diferentes, mas como são lugares tão próximos, parece até que a Lagoa e o Jardim Botânico (seja o bairro ou o parque) estão presos dentro de uma cerca invisível que cerca todos os bairros Eu morava na Praça Pio XI, que fica no Jardim Botânico.
A Lagoa tem água, tem vegetação e tem um parque imenso. Na verdade a Lagoa em si é um parque bem grande.
No pôr do sol, fim de tarde campeão do Rio, quando você olha diretamente para o heliporto, seus olhos não piscam. Se você sem querer piscar, o sonho começa. Você está dentro do próprio helicóptero vendo o mar de papel celofane e pequenos barcos, as pessoas não mais existem para você, porque seu corpo deu um salto barulhento e agora tudo parece pequeno. O Rio é uma pedrinha suja. Isso tudo, enquanto você pisca.
Quando você abre seus olhos de novo, você é um grafite no muro do Jardim Botânico. Você é o famoso grafite “Ratones”, um rato no lugar do leão da MGM rosnando. E você ainda pode ver as pessoas passando, indo para a Lagoa, indo para o mercado, entrando para a Oliveira Rocha e também olhando o novo e tão aclamado grafite de um rato no lugar do leão da MGM.
Novamente, você pisca, e se vê no fundo da Lagoa Rodrigo de Freitas, você é uma carpa, que olha um mergulhão vindo a toda velocidade na sua direção. Aí você abre os olhos e é um macaco-prego cruzando o Jardim Botânico e vendo as pessoas passando. Então, você pisca de novo e…

Cobal

Yasmin

Desde pequena minha mãe me leva na Cobal para fazer compras de frutas e legumes junto com ela. Sempre compramos alface e couve-flor no mesmo lugar: Mundo Verde.
Tem um senhor que trabalha lá desde quando minha mãe estava grávida de mim. Ele é muito bonzinho, o seu nome é Flávio, mas todo mundo o chama de Seu Flávio.
Toda vez que nós vamos lá, peço água de coco. Mas, antes da água de coco, minha mãe gosta de tomar um suco verde. O suco é feito de legumes e frutas. É muito bom e saudável!
Na Cobal tem vários lotes vendendo frutas. No Mundo Verde, de fruta, só vende banana.
Perto da água de coco tem tipo uma cabine que vende mel.
Quando estou lá, sinto que estou em uma feira, mas essa feira não cheira a peixe. Sim, tem uma peixaria, toda feira tem uma peixaria. Bom, pelo menos todas as feiras que eu fui têm uma barraquinha que vende peixes.
Esse lugar é muito especial para mim, porque todas as frutas que eu comi e ainda como, vieram de lá. Cada vez mais me sinto parte daquela cultura.
Eu também tenho um sítio, no meu sítio tem uma horta e um pomar. Toda vez que vou para o sítio e estou colhendo frutas, me lembro um pouco da Cobal.
E essa é a Cobal que vou desde sempre.

Meu Lugar Querido do Rio

Vítor

Me pediram para escrever sobre o meu lugar querido do Rio. Não foi fácil, pensava, pensava e não chegava a uma conclusão. Eram muitas opções, o Rio é uma cidade enorme, mas me toquei que só pensava no hoje, e foi só pensar no passado que a resposta ficou mais que óbvia. Depois de tantas sugestões e hipóteses, resolvi escrever sobre… Tente adivinhar.
Eu me lembro que quando eu era bem miúdo, com uns quatro anos, eu ficava ansioso para ir em um lugar que mal sabia o nome certo: “Vó, vamos no ‘Parque dos Patinhos’?”
Já adivinhou? Sim, quando eu tinha quatro anos, achava que era “Parque dos Patinhos”, e não “Parque dos Patins”, apesar de não ver nenhum pato. Eu ia com o maior sorriso que se pode imaginar, de orelha a orelha.
Uma das coisas que eu mais gostava, era alugar um carrinho e andar numa pista, que havia lá, e ficar andando a manhã inteira. Eu achava que isso abria o apetite, e almoçava no Árabe, ou qualquer restaurante que tivesse por ali.
Às vezes, ia com um amigo meu, o Chico, e a gente subia em uma árvore que ficava em frente ao restaurante e nossos pais olhando; parecíamos dois macacos que estavam a subir numa bananeira, nos pendurávamos e nos balançávamos.
Também víamos o helicóptero a voar, subindo e descendo. Pousando ou voando, era coisa linda de se ver.
Calor, frio chuva ou sol, a Lagoa é uma maravilha de se ver. Mesmo quando se é bem pequeno, isso é perceptível.
Eu cresci, e o Chico também, tanto quanto todas as pessoas ao nosso redor, porque o tempo passa, e não é devagar. Mudei, saí do carrinho e passei a andar de bicicleta em volta da Lagoa.
Um dia eu pensei que ia cair dentro da Lagoa, quando tinha uns 5 ou 6 anos, porque o tio Álvaro, que-não-é-tio-de-verdade, pedalava muito rápido e perto da borda. Eu ia na garupa da bicicleta, porque só havíamos alugado duas, minha e do Tio Álvaro, e do Chico e da tia Verônica, ou Vê. Mas, no fim tudo acabou em pizza, quer dizer, em milho verde.
Depois que aprendi a andar sozinho de bicicleta e skate, andei seja na pista, seja pela Lagoa afora… Um dia, com uns oito anos, eu e o Chico pedalamos tão longe que nossas mães ficaram desesperadas atrás de nós!
Mesmo mais crescido, continuo rindo, vendo o helicóptero subir e descer, pulando no pula-pula, trepando em árvores, andando sobre rodas, ou mesmo sentando no deck admirar a Lagoa no pôr do sol. E fazendo as pequenas coisas, que por menores que sejam, eu vou sempre me sentir bem fazendo: o que eu gosto, em um lugar que eu gosto.
O que eu valorizo em um lugar, não é o quão importante ele é. Quando minha mente está bem, estou bem. Sendo bonito ou não, frio ou calor, com fome ou com sede, com barulhos por toda a parte, até mesmo quando atrapalham a minha concentração. Se minha cabeça achar que eu estou feliz, eu estarei feliz.
Afinal, você não passa de um cérebro que controla um corpo. Para escolher o MEU lugar querido do Rio, não são as sugestões das pessoas que importam, para o MEU Lugar Querido do Rio, quem importa sou EU.

Parque Lage

Mariano

Desde que tenho cinco anos moro ao lado do Parque Lage, mas acho que já fui lá bem antes, mais ou menos com dois anos.
Na primeira vez, fiquei muito sorridente com o parquinho, as árvores, o restaurante e tudo mais. A comida do restaurante era tão boa e macia! Eu me lembro que nesse dia, tinha um aniversário. Era um piquenique só que os macacos roubaram quase tudo. Eu subi em todas as escadas. Como estava faminto levei um croissant do restaurante para lá, mas tive que dividir.
Tirando os macacos roubando comida, foi muito bom. Mesmo assim, eu acho que os macacos são meus animais favoritos, porque como eles, eu amo escalar.

Praia da Barra

Pedro

Eu vou à Praia da Barra desde os 8 anos para surfar.
Ano passado meu amigo João passou a ir comigo e com meu pai. Eu adoro surfar, acompanho todos os campeonatos da WCT. Fui à final da etapa passada na Barra.
Sempre surfamos, tomamos açaí no Rico Point e sentamos na areia quente olhando para o mar com os surfistas.
Tenho muitas lembranças boas da Praia da Barra, quando vou para lá, lembro de quando estava aprendendo a surfar. Era muito legal! Lembro que meu pai gritava: “em pé, em pé!”, quando eu caía ele ia correndo me pegar e tentávamos de novo, até que um dia eu consegui e fiquei muito feliz.
Essa é uma lembrança que guardo até hoje, por isso gosto muito de lá.

Rio Comprido

Rodrigo

O meu lugar querido do Rio é o Rio Comprido. Esse bairro é um lugar especial para mim, por que eu já morei lá.
Sempre que volto, me lembro do apartamento em que morei e da minha festa do Batman, quando tinha 3 anos.
Adoro o Rio Comprido, ele me traz mil lembranças boas. Por exemplo, quando ia ao clube, na casa do meu tio, brincar com os meus primos, com os meus amigos do prédio e ia ao play.
Quando fui embora chorei tanto, pensando que ia perder meus amigos, mas agora volto sempre lá, no Rio Comprido.

Praia de Ipanema

Sofia Coelho

Todos os verões eu vou à… Quer dizer, todos os finais de semana eu vou à praia.
Com certeza a Praia de Ipanema é um dos lugares mais bonitos do Rio. Temperatura fresca, até nos dias quentes. Isso é culpa de uma tal de Senhora Brisa, que deixa a praia com essa temperatura amena.
O pôr do sol é lindo, não há nada melhor do que assistir a um pôr do sol em Ipanema! Chega a parecer sonho. Olhar o Rio daquele ponto é com certeza a coisa mais bonita do mundo.
Quando chega a noite a praia já está vazia, e o mar bate forte. E o mar bate e volta, bate e volta, bate e volta…

Museu de Arte Moderna

Tom

Meu lugar querido do Rio é o Museu de Arte Moderna (MAM). Esse lugar fica no Aterro do Flamengo, que é um parque cheio de árvores, bastante visitado, espaçoso e divertido.
Eu sempre gostei de lá, porque eu posso me soltar ao ar livre, posso jogar bumerangue, frisbee, soltar pipa, subir em árvore, brincar com meus amigos, e é claro, visitar o museu, que tem uma coisa mais maneira que a outra!
As exposições do MAM são muito interessantes! A que eu mais gostei foi aquela em que você subia num tecido e caía numa piscina de bolinha. Pena que já foi há muito tempo…
E por tudo isso, o MAM é o meu lugar preferido do Rio!!!

Clube dos Macacos

Bernardo

Desde pequeno eu vou ao Clube dos Macacos com meu irmão, mãe e pai (Rodrigo, Marcelo e Flávia) e, às vezes, com outros parentes.
Eu acho o clube muito interessante. Ele tem uma energia muito boa! Lá eu me sinto relaxado, animado, alegre e bem.
Acho que o clube é muito legal em envolver e unir o maravilhoso clima da natureza e com o asfalto. A natureza e a floresta enchem a construção de forças muito boas, de energia.
O Clube entra na floresta, nas matas, cachoeiras, enfim, é a natureza fazendo a diversão de todos.